Psicología desde el Caribe, Vol. 35 No. 3: Sep - Dic 2018

Tamaño de la letra:  Pequeña  Mediana  Grande

La justicia organizacional, turnover & los profesionales de tecnología de la información

Hellen Cristine Geremia, Lilia Aparecida Kanan, Silvana Regina Ampessan Marcon

Resumen


Empresas de tecnología de la información (TI) con frecuencia han tenido dificultades para atraer y retener a profesionales cualificados debido a las numerosas ofertas de empleo en la area y la insuficiente entrada de estos en el mercado. De esto se desprende, que estas empresas han hecho esfuerzos para involucrar a ellos y reducir los altos niveles de rotación. Con esta justificación, el estudio analizó la relación entre la percepción de justicia organizacional y la intención de los profesionales de TI a permanecer en las empresas que los emplean. La investigación, descriptiva, de corte transversal, se utiliza para la recolección de datos, las escalas EPJO y EICCO. Participaron de esta investigación 23 profesionales de TI. Los datos fueron analizados mediante el programa SPSS ®20.0, aprobada por la prueba de normalidad de Shapiro Wilk y los recursos estadística inferencial. Los resultados muestran los profesionales con nivel medio / alto de compromiso, que quedan poco tiempo en la empresa  y  que perciben como apropiado el tratamiento recibido de sus líderes.


Palabras Clave / Keywords

Tecnología de la información, La justicia organizacional, Turnover.

Tipo de Artículo

Artículo de investigación científica y tecnológica

Citas


ABES, Associação Brasileira das Empresas de Software. (2017). Mercado brasileiro de software: panorama e tendências (1a ed). São Paulo: ABES.

Agostini, A., Masiero, A. V. & Kanan, L. A. (2018). Assessment of Well-Being at Work of Information Technology Professionals. International Journal of Humanities and Social Science. 8(6).

Amâncio, S. F., Costa, H. A. X., Camargo, V. V. De & Penteado, R. A. D. (2009). Gerência de recursos humanos para uma fábrica de software de pequeno porte. Ouro Preto: V WOSES – Workshop um Olhar Sociotécnico sobre a Engenharia de Software (Anais).

Antonini, L. Da S. & Saccol, A. Z. (2011, julho/dezembro). Educação Corporativa em Pequenas e Médias Empresas do Setor de Software: Um Estudo Exploratório. Curitiba: Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 10(2).

Assmar, E. M. L.; Ferreira, M. C. & Souto, S. de O. (2005, dezembro). Justiça organizacional: uma revisão crítica da literatura. Porto Alegre: Psicologia: Reflexão e Critica, 18(3), 443-453. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722005000300019

Bastos, A. V. B. (2000, outubro/dezembro). Padrões de comprometimento com a profissão e a organização: o impacto de fatores pessoais e da natureza do trabalho. São Paulo: Revista de Administração, 35(4), 48-60.

Bastos, A. V. B., Siqueira, M. M. M., Medeiros, C. A. F. & Menezes, I. G. (2008). Comprometimento organizacional. In: M. M. M. Siqueira (Org.), Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed.

Borges-Andrade, J. E., Cameschi, C. E. & Xavier, O. S. (1990, outubro/dezembro). Comprometimento organizacional em instituição de pesquisa: diferenças entre meio e fim. São Paulo: Revista de Administração, 25(4), 29-43.

Borges, L. de O., Lima, A. M. de S., Vilela, E. C. V. & Morais, S. da S. G. (2004, janeiro/junho). Comprometimento no trabalho e sua sustentação na cultura e no contexto organizacional. São Paulo: RAE-eletrônica, 3(1), 8, 1-24.

Campos, L. F. de L. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa em Psicologia (4a ed). Campinas: Editora Alínea.

Carli, D. M. de, Fontoura, L. M., Cafarate, L. S. & Kemmerich, G. C. (2011). Geração Y e a indústria de software do Brasil. VII Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, Salvador. Recuperado de http://www.lbd.dcc.ufmg.br/colecoes/sbsi/2011/geracaoy.pdf

Chun, M. & Mooney, J. (2009). CIO roles and responsabilities: twenty-five years of evolution and change. Information & Management Journal, 46.

Correia, J. C. P. (2013). A representação social do CIO no Brasil na percepção dos profissionais de tecnologia da informação (Dissertação de Mestrado Executivo). Gestão Empresarial. Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

Costa, C. A., Moraes, L. F. R. de & Cançado, V. L. (2008, julho/agosto). Avaliando o comprometimento organizacional e possíveis relações com o Turnover. Pedro Leopoldo: Revista Gestão & Tecnologia, 8(2), 1-16.

Dias, P. A. de S. & Freitas, J. A. de S. B. (2010, janeiro/abril). O que querem os analistas de sistemas? Expectativas, identificações e vínculos com o trabalho e com as organizações. Revista ADM.MADE. Ano 10, 14(1), 22-36. Recuperado de http://revistadireitobh.estacio.br/index.php/admmade/article/viewFile/62/71.

Engelman, R., Fracasso, E. M. & Brasil, V. S. (2011, dezembro). A qualidade percebida nos serviços de incubação de empresas. Porto Alegre: REAd. Rev. Eletrônica de Administração, 17(3), 802-822. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S1413-23112011000300009

Freitas, H. M. & Kladis, C. M. (2013). Da informação à política informacional das organizações: um quadro conceitual. Revista de Administração Pública, 29(3), 73-86.

Filenga, D. & Siqueira, M. M. M. (2006, dezembro). O impacto de percepções de justiça em três bases de comprometimento organizacional. Revista Administração, 41(4), 431-441. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/rausp/article/view/44417/48037

França, F. & Ferrari, M. A. (2011, janeiro/julho). Pode a comunicação organizacional ser considerada uma atividade de lobby? Revista Organicom, 8(14), 87-104. Recuperado de http://www.revistaorganicom.org.br/sistema/index.php/organicom/article/view/342/382

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a ed). São Paulo: Atlas.

Giongo, C. R. (2012). Plano de ação em pesquisa de clima organizacional: estudo de caso em uma empresa de TI (Monografia de Especialização) Psicologia Organizacional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/37931/000823924.pdf?sequence=1

Heizer, I. H., Garcia, F. C. & Vieira, A. (2009, janeiro/junho). Intenções comportamentais de comprometimento organizacional: um estudo de caso. rPOT, 9(1), 3-28.

Ianinni. T. O. (2010, março). Pesquisa do Perfil dos Profissionais de Tecnologia da Informação. Assespro, Minas Gerais.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2009). O Setor de Tecnologia da Informação e Comunicação no Brasil 2003-2006. Rio de Janeiro. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/stic/publicacao.pdf

Kanan, L. A. (2008). Características do processo de vinculação de coordenadores de curso com o trabalho e com a universidade (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Kanan, L. A. & Zanelli, J. C. (2012, agosto). Tratamento, respeito, direito e sensibilidade: o fenômeno “justiça organizacional” no contexto universitário sob a perspectiva de docentes-gestores. Florianópolis: Revista GUAL, 5(2), 251-276.

Marconi, M. de A. & Lakatos, E. M. (2017). Fundamentos da Metodologia Científica (8a ed). São Paulo: Atlas.

Mendonça, C. M. C. de, Guerra, L. C. B., Souza Neto, M. V. de & de Araújo, A. G. de. (2013). Governança de tecnologia da informação: um estudo do processo decisório em organizações públicas e privadas. Revista de Administração Pública, 47(2), 443-468.

Mendonça, H., Pereira C., Tamayo, A. & Paz, M. G. T. (2003). Validação fatorial de uma escala de percepção de justiça organizacional. Estudos, Vida e Saúde, 30(1), 111-130.

Mendonça, H., Tamayo, A. (2004, junho). Percepção de justiça e reações retaliatórias nas organizações: análise empírica de um modelo atitudinal. Revista Administração Contemporânea, 8(2), 117-135. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552004000200007

Menezes, I. G. (2006). Escala de Intenções Comportamentais de Comprometimento Organizacional (EICCO): concepção, desenvolvimento, validação e padronização (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Menezes, I. G., Aguiar, C. & Bastos, A. (2016). Comprometimento organizacional: questões que cercam sua natureza e os seus limites conceituais. Psicologia em Revista, 22(3), 768-789. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/psicologiaemrevista/article/view/6175/11688

Miles, M. B. & Huberman, M. (1994). Qualitative Data Analysis: an expanded sourcebook. (2a ed). Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 1994.

Moreno Jr., V. de A., Cavazotte, F. de S. C. N. & Farias, E. de. (2009). Carreira e relações de trabalho na prestação de serviços de tecnologia da informação: a visão dos profissionais de TI e seus gerentes. Journal of Information Systems and Technology Management (JISTEM – Internacional). 6(3), 437-462. Recuperado de https://dx.doi.org/10.4301/S1807-17752009000300004

Odelius, C. C. & Santos, A. R. dos. (2008). Percepção de Justiça Organizacional de Sistemas de Remuneração em Organizações Públicas. Revista Alcance, 15(2), 226-242. Recuperado de https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/ra/article/view/673/545

Oliveira, S. (2010). Geração Y: O Nascimento de uma nova versão de líderes (2ª ed.). São Paulo: Integrare

Oliveira, F. B. de & Muller, E. S. M. (2010, janeiro/abril). O perfil motivacional e inclinação de carreira do estudante e do profissional do TI. Revista ADM.MADE. Ano 10, 14(1), 51-73. Recuperado de http://revistadireitobh.estacio.br/index.php/admmade/article/viewFile/58/64

Perochim, K. R. & Silva, I. A. da. (2016). Rotatividade e retenção de talentos nas empresas de TI de Caxias do Sul/RS. Anais X Seminário de Iniciação Científica Curso de Ciências Contábeis da FSG, 6(1), 111-131.

Rego, A. (2002, agosto). Comprometimento afectivo dos membros organizacionais: o papel das percepções de justiça. Revista de Administração Contemporânea, 6(2), 209-241. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552002000200012

Ribeiro, J. A. & Bastos, A. V. B. (2010). Comprometimento e justiça organizacional: um estudo de suas relações com recompensas assimétricas. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(1), 4-21. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000100002

Silva, E. M., Yue, G. K., Rotondaro, R. G. & Laurindo, F. J. B. (2006, agosto). Gestão da qualidade em serviços de TI: em busca de competitividade. Production, 16(2), 329-340. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132006000200012

Silva, A. M. M. da, Almeida, G. de O. & Carvalho, D. (2005). Papel das dimensões da justiça organizacional distributiva, processual, interpessoal e informacional na predição do Burnout. Revista Mackenzie, 6(1). Recuperado de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/RAM/article/view/67/0.

SINE, Site Nacional de Emprego. (2016). Média salarial. Função: Analista de TI. Recuperado de www.sine.com.br

Siqueira, M. M. M. & Gomide Júnior, S. (2004). Vínculos do Indivíduo com o Trabalho e com a Organização. In: J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade, A. V. B. Bastos (orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 300-328.

Schuster, M. S., Dias, V. V. & Battistella, L. F. (2014). Justiça organizacional e as interfaces com o comportamento organizacional. Registro Contábil, 5(1), 35-52. Recuperado de http://www.seer.ufal.br/index.php/registrocontabil/article/view/35/pdf_14

Steil, A. V., Garcia, C. E., Farsen, T. C., & Bonilla, M. A. (2014). Estado da arte sobre recompensas em organizações no Brasil: uma análise bibliométrica da literatura nacional de 2000-2011. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 14(1), 19-35. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572014000100003&lng=pt&tlng=pt.

Soares, M. L., Capistrano, A. G. A. & Barbosa, M. B. A. (2015). A rotatividade de servidores públicos na área de TI: um estudo de caso sobre a ótica da gestão de pessoas. XV Colóquio Internacional de Gestão Universitária – CIGU. Mar Del Plata, Argentina. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/136139/101_00257.pdf?sequence=1&isAllowed=y

SOFTEX, Observatório. (2012). Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva, 2. Campinas (SP). Recuperado de http://assespro.org.br/files/assespro/biblioteca/documentos/2012-Observatorio-Softex-Industria-Brasileira-Software-Servicos-TI-em-perspectiva-Versao-Completa-Portugues.pdf

Tachizawa, T., Ferreira, V. C. P. & Fortuna, A. A. M. (2001). Gestão com pessoas: uma abordagem aplicada às estratégias de negócios (5a ed.). Rio de Janeiro: FGV.

WEF, World Economic Forum. (2016). The Future of Jobs: Employment, Skills and Workforce Strategy for the Fourth Industrial Revolution. Geneva.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.