Psicología desde el Caribe, Vol 37 No 3: Septiembre-diciembre 2020

Tamaño de la letra:  Pequeña  Mediana  Grande

Programa de Enriquecimiento Instrumental (PEI) básico en niños con TDAH y Dislexia

Karen Ricci, Cristiano M.A Gomes Gomes, Maria Angela Nico Nico, Alessandra Seabra Seabra

Resumen


Testes de eficácia do Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI), versão básica, sobre inteligibilidade, processamento visoespacial e flexibilidade cognitiva. Como essas habilidades podem estar comprometidas em distúrbios neurológicos, como TDAH e dislexia, sua eficácia foi investigada em 22 crianças. Ou o grupo experimental (GE) foi comparado ou controlado por testes neuropsicológicos, com 26 sessões intervencionistas. Uma interação entre ou grupo nenhum momento e como diferenças de desempenho entre os dois nos analisaram momentos. Essa comparação revela o principal interesse das tarefas de flexibilidade cognitiva com um grande tamanho de efeito; em oito medidas com efeito moderado tamanho (incluindo medidas de inteligência,visospatial processamento e funções executivas) e em 13 medidas com tamanho de efeito pequeno. Ou grupo de controle apresentou maior ganho apenas em consulta. Conclui-se que o IPE básico mostra principalmente os efeitos da flexibilidade cognitiva em crianças com TDAH e dislexia.


Palabras Clave / Keywords

Estimulación Cognitiva, Programa de Enriquecimiento Instrumental, Trastorno del Déficit de Atención y Hiperactividad, Dislexia.

Tipo de Artículo

Artículo de investigación científica y tecnológica

Citas


Referencias

 

Andrade, A. M. (2013). Adaptação e implementação de programa de intervenção precoce sobre o funcionamento executivo para crianças e adolescentes com TDAH. Tese de Doutorado. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo. Disponível em: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/45?offset=40

Angelini, A. L., Alves, I. C. B., Custódio, E. M., Duarte, W. F., & Duarte, J. L. M. (1999). Matrizes progressivas coloridas de Raven. Manual. São Paulo: Centro Editor de Testes e Pesquisas em Psicologia.

Associação Psiquiátrica Americana. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (5 ed.). Porto Alegre: Artmed.

Barbosa, T., Rodrigues, C. C., Mello, C. B., Silva, M. C. de S., Bueno, O., & Francisco, A. (2019). Funções executivas em crianças com dislexia. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 77(4), 254-259. DOI: 10.1590/0004-282x20190033

Barkley, R. A. (2015). Executive functioning and self-regulation viewed as an extended phenotype: Implications of the theory for ADHD and its treatment. In: Barkley, R. A. (Ed). Attention-Deficit Hyperactivity Disorder: A handbook for diagnosis and treatment (4th ed) (pp. 405-434). New York: Guilford Press.

Beltrán, J. M. M. (1994). Metodologia de la mediación em el PEI. Madrid: Bruno.

Beyer, O. H. (2002). O fazer psicopedagógico: a abordagem de Reuven Feuerstein a partir de Vygotsky e Piaget (5a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Cruz, S. B. (2007). A teoria da modificabilidade cognitiva estrutural de Feuerstein. Aplicação do Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI) em estudantes da 3ª série de escolas do ensino médio. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo. SP, BR. Disponível em https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-16082016-145922/publico/ulasowicz_corrigida.pdf

Da Ros, S. Z. (2002). Pedagogia e mediação em Reuven Feuerstein. São Paulo: Plexus.

Feuerstein, R. (1997). Don´t accept me as I am: helping retarded performers excel. Arlington Heights, IL: Skylight.

Dionísio, A. M. P., & Vectore, C. (2017). Intervenção Mediacional na aprendizagem do Braille: um estudo com crianças deficientes visuais. Psicologia Escolar e Educacional, 21(3), 549-560.

Feuerstein, R., Rand, E., Hoffman, M. B, & Miler, R. (1980) Instrumental Enrichment: An Intervention Program for Cognitive Modifiability. Illinois: Scott, Foresman and Company.

García, I. & Porras, R. (2010). Condiciones para la aplicación de la adaptación del Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI) de Feuerstein en el primer ciclo de educación primaria. Kikirikí, 41.

Gomes, C.M.A. (2002) Feurstein e a construção mediada do conhecimento. Porto Alegre: Artmed.

Gonçalves, J. E., & Richartz, T. (2018). Aplicabilidade da teoria da experiência da aprendizagem mediada de reuven feuerstein na educação a distância. Revista Psicopedagogia, 35(107), 203-216.

Hedges, L. V. (1985). Métodos estatísticos para meta-análise. San Diego, CA: Academic Press.

ICELP (s.d.). Parâmetros de avaliação dos resultados do PEI, durante o processo, segundo os objetivos específicos. Jerusalém: INHELDER, Bärbel.

Kozulin, A. (2000). Instrumentos Psicológicos: la educación desde uma perspectiva sociocultural. Barcelona: Paidós.

Lebeer, J. (2016). Effectiveness of Neurorehabilitation Treatment for Individuals with Brain Injury or Stroke. NeuroRehabilitation, 39(1), 19-35.

McIntyre K. (2017). Raising self-efficacy through Ipsative Assessment and Feuerstein’s Instrumental Enrichment Programme. In: Hughes, G. (Ed.), Ipsative assessment and personal learning gain. London: Palgrave Macmillan.

Meltzer, L. (2007). Executive function in education: from theory to practice. New York: The Guilford Press.

Montiel J. M., & Seabra A. G. (2012). Teste de trilhas parte A e B. In: Seabra A.G, Dias N.M. (Eds.), Avaliação neuropsicológica cognitiva: atenção e funções executivas (pp. p.79-85). São Paulo: Memnon.

Muniz, M., Seabra, A. G., & Primi, R. (2008). Teste de raciocínio indutivo para crianças-TEDRI. Formas A e B. Laboratório de Avaliação Psicológica e Educacional-LabAPE.

Ohlweiler, L. (2016). Introdução aos transtornos de aprendizagem. In: Rotta, N. T., Ohlweiler, L., & Riesgo, R. S. (Eds.), Transtornos da Aprendizagem – Abordagem Neurobiológica e Multidisciplinar (2 ed). Porto Alegre: Artmed.

Oliveira, M. F. S. B. (2013). Construção de um Programa de Enriquecimento e Estimulação do potencial Cognitivo (PEEC): Aplicação à população escolar com défice cognitivo moderado. Tese de Doutorado, Universidade da Beira Interior. Disponível em: https://ubibliorum.ubi.pt/bitstream/10400.6/3342/1/Tese-Fernanda%20Bastos.pdf

Otilia, T. (2014). The role of Feuerstein’s Instrumental Enrichment Program in the cognitive development of children with mental deficiencies. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 114, 794 – 797.

Pereira, B. L. S., Golino, M. T. S., & Gomes, C. M. A. (2019) Investigando os efeitos do Programa de Enriquecimento Instrumental Básico em um estudo de caso único. European Journal of Education Studies, 6(7), 35-52. doi: 10.5281/zenodo,3477577.

Rey, A. (1999). Figuras Complexas de Rey: Teste de Cópia e de Reprodução de Memória de Figuras Geométricas Complexas (M. S. Oliveira, trad.) São Paulo: Casa do Psicólogo. (Original publicado em 1959).

Romney, M., & Samuels, T. (2001). A meta-analytic evaluation of Feuerstein’s Instrumental Enrichment program. Educational and Child Psychology, 18(4), 19-34.

Smeraldi, C., Mazza, G., & Ricci, L. (2015). Feuerstein Instrumental Enrichment in the treatment of obsessive compulsive disorder: a preliminary study. Cognitivismo Clínico, 12(2), 111-122.

Trevisan, B. T. (2012). Evidências de validade e fidedignidade do Teste de repetição de palavras e pseudopalavras. In: Seabra A.G, & Dias N.M. (Eds.), Avaliação neuropsicológica cognitiva: Linguagem oral (pp. 87-93). São Paulo: Memnon.

Trevisan, B. T. & Seabra, A. G. (2012). Teste de trilhas para pré-escolares. In: Seabra, A.G., & Dias, N. M. (Eds.), Avaliação neuropsicológica cognitiva: Atenção e funções executivas (pp. 92-100). São Paulo: Memnon.

Seabra, A. G. (2012). Teste de Repetição de Palavras e Pseudopalavras. In: Seabra, A.G., & Dias, N. M. (Eds.), Avaliação neuropsicológica cognitiva: Linguagem oral (pp. 97-99). São Paulo: Memnon.

Seabra, A. G.; Trevisan, B.T. & Capovilla, F.C. (2012). Teste Infantil de Nomeação In: Seabra, A.G., & Dias, N. M. (Eds.), Avaliação Neuropsicológica Cognitiva: Linguagem oral (pp. 54-86). São Paulo: Memnon.

Trevisan, B. T., & Seabra, A. G. (2010). Teste de Stroop Semântico. Software em desenvolvimento.

Trevisan, B. T., & Seabra, A. G. (2012). Inventário de funções executivas e regulação infantil (IFERI) para pais ou responsáveis e professores. Teste não publicado, Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Varela, A. (2006). Alternativa pedagógica que responde al desafio de calidad en educación: Programa de Enriquecimento Instrumental – PEI. Rev. Diversitas: perspectivas en psicología. 2(2), 297-310.

Velarde, E. (2008). La teoría de la Modificabilidad Estructural Cognitiva de Reuven Feuerstein. Investigación Educativa, 12(22), 203 – 221.

 

Wechsler, D. & Duprat, M.L. (2013). Escala Wechsler de Inteligência para Criança-WISC-IV. (4 ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.



Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.