Psicología desde el Caribe, Vol. 35 No. 1: Ene - Abr 2018

Tamaño de la letra:  Pequeña  Mediana  Grande

Resiliência no trabalho no campo da Psicologia: um estudo bibliométrico

Thaís Cristine Farsen, Aline Bogoni Costa, Narbal Silva

Resumen


Este artigo apresenta um estudo da produção científica nacional e internacional sobre o tema resiliência no trabalho no campo da Psicologia, no período de 2000 a 2015. Trata-se de um estudo teórico que, por meio da bibliometria, objetivou ampliar a compreensão acerca do constructo, com vistas a favorecer aproximações e releituras de pesquisadores e de outros profissionais interessados no tema. O método adotado seguiu a duas etapas principais, sendo a primeira a realização de busca sistemática de literatura no Portal de Periódicos CAPES, análise e seleção das publicações; e a segunda, o estudo bibliométrico das 25 publicações selecionadas na primeira etapa. Entre os resultados, evidenciou-se que 68% das publicações vincularam-se a área de Ciências Humanas, sendo 23% correspondentes ao campo da Psicologia Positiva. Houve a prevalência de estudos empíricos (72%), a maioria com foco na resiliência de trabalhadores da área da saúde e executivos. Apresentou-se, ainda, as definições constitutivas sobre resiliência no trabalho e as contribuições teórico-práticas dos estudos analisados. Por fim, acredita-se que o presente artigo caracteriza o estado da arte sobre o tema resiliência no trabalho, dado que poderá orientar a realização de estudos futuros.


Palabras Clave / Keywords

Resiliência no trabalho; Revisão sistemática; Bibliometria; Psicologia.

Tipo de Artículo

Artículo de revisión

Citas


Ablett, J. R., & Jones, R. S. P. (2007). Resilience and well-being in palliative care staff: a qualitative study of hospice nurses’ experiences of work. Psycho-Oncology. 16, 733-740, doi: 10.1002/pon.1130

Anthony, E. J. (1974). The syndrome of the psychologically invulnerable child. In E. J. Anthony & C. Koupernik (Eds.), The child in his family: Children at psychiatric risk (pp. 529–545). New York: Wiley.

Argyris, C. (1993). On Organizational Learning. Cambridge, MA: Blackwell.

Barlach, L., Limongi-França, A. C., & Malvezzi, S. (2008). O conceito de resiliência aplicado ao trabalho nas organizações. Interamerican Journal of Psychology, 42(1), 101-112, doi: 10.1590/S1413-73722011000400013.

Belancieri, M. F., Beluci, M. L., Silva, D. V. R. da, & Gasparelo, E. A. (2010). A resiliência em trabalhadores da área da enfermagem. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(2), 227-233, doi: 10.1590/S0103-166X2010000200010.

Bendassolli, P. F., Borges-Andrade, J. E., & Malvezzi, S. (2010). Paradigmas, eixos temáticos e tensões na PTO no Brasil. Estudos de Psicologia (Natal), 15(3), 281-289, doi: 10.1590/S1413-294X2010000300008.

Bonanno, G. A. (2004). Loss, trauma, and human resilience: Have we underestimated the human capacity to thrive after extremely aversive events? Am Psychol, 59(1):20-8, doi: 10.1037/0003-066X.59.1.20.

Bonanno, G. A. (2005). Resilience in the face of loss and potential trauma. Current Direction in Psychological Science, 14(3), 135–138, doi: 10.1111/j.09637214.2005.00347.x.

Burnes, T. R., Long, S. L., & Schept, R. A. R. (2012). Resilience-Based Lens of Sex Work: Implications for Professional Psychologists. Professional Psychology: Research and Practice, 43(2), 137-144, doi:10.1037/a0026205.

Campos, M. (2003) Conceitos atuais em bibliometria. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, 66, 18-22.

Carvalho, V. D, Teodoro, M. L. M., & Borges, L. O. (2014). Escala de Resiliência para Adultos: aplicação entre servidores públicos. Avaliação Psicológica, 13(2), 287-295.  Recuperado em 31 de dezembro de 2016, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712014000200016&lng=pt&tlng=pt.

Carvalho, V. D. de, Borges, L. O., Vikan, A., & Hjemdal, O. (2011). Resiliência e socialização organizacional entre servidores públicos brasileiros e noruegueses. Revista de Administração Contemporânea, 15(5), 815-833, doi:10.1590/S1415-65552011000500003.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. (2016).  Sistema de classificação da produção intelectual – Qualis. Recuperado em 20 nov. 2016:  <http://www.capes.gov.br/avaliacao/instrumentos-de-apoio/classificacao-da-producao-intelectual>.

Deslandes, S. F., & Silva, A. A. M. da. (2013). Revisão por pares: crise de demanda ou mudança de valores? Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 29(3):421-423.

Ensslin, L., Ensslin, S. R., & Pinto, H. M. (2013). Processo de investigação e análise bibliométrica: avaliação da qualidade dos serviços bancários. Revista de Administração Contemporânea17(3), 325-349, doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552013000300005

Fletcher, D., & Sarkar, M. (2012). A grounded theory of psychological resilience in Olympic champions. Psychology Of Sport And Exercise, 13(5), 669-678, doi:10.1016/j.psychsport.2012.04.007.

Fletcher, D., & Sarkar, M. (2013). Psychological Resilience A Review and Critique of Definitions, Concepts, and Theory. European Psychologist, 18(1), 12–23, doi: 10.1027/9040/a000124.

García, G. M., & Calvo, J. C. A. (2012). Emotional exhaustion of nursing staff: influence of emotional annoyance and resilience. International Nursing Review, 59(1), 101-107, doi: 10.1111/j.1466-7657.2011.00927.x.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias e Letras.

Goldenberg, M. (2013). A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 13. ed. Rio de Janeiro: Record, 107p.

Gomide Júnior, S., Silvestrin, L. H. B., & Oliveira, Á. F. (2015). Bem-estar no trabalho: o impacto das satisfações com os suportes organizacionais e o papel mediador da resiliência no trabalho. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 15(1), pp. 19-29, doi: 10.17652/rpot/2015.1.349.

Guedes, V. L. S., & Borschivier, S. (2005). Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica. In: VI Encontro Nacional de Ciência da Informação. Anais eletrônicos. Salvador. Recuperado em 14 nov. 2016: <http://www.cinform.ufba.br/vi_anais/docs/VaniaLSGuedes.pdf>.

Holling, C. S. (1996). Engineering resilience versus ecological resilience. In P. C. Schulze, editor. Engineering within ecological constraints. National Academy Press, Washington, D.C., USA.

Howard, F. (2008). Managing stress or enhancing wellbeing? Positive psychology's contributions to clinical supervision. Australian Psychologist, 43, 105–113, doi: 10.1080/00050060801978647.

Libório, R. M. C., & Ungar, M. (2010). Children's labour as a risky pathways to resilience: children's growth in contexts of poor resources. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(2), 232-242, doi: 10.1590/S0102-79722010000200005

Luthans, F. (2002). The need for and meaning of positive organizational behavior. Journal of Organizational Behavior, 23, 695–706, doi:10.1002/job.165.

Luthans, F., Avolio, B. J., Avey, J., & Norman, S. (2007). Positive psychological capital: Measurement and relationship with performance and satisfaction. Journal of Personnel Psychology, 60, 541–572, doi: 10.1111/j.1744-6570.2007.00083.x

Luthans, F., Luthans, K., & Luthans, B. (2004). Positive psychological capital: Going beyond human and social capital. Business Horizons, 47(1): 45-50, doi: 10.1016/j.bushor.2003.11.007.

Mallak, L. (1998). Measuring resilience in health care provider organizations. Health Manpower Management, 24(1), 148–152, doi: 10.1108/09552069810215755.

Martins, M. C. F. (2015). Resiliência no trabalho. In: P. Bendassolli, & J. E. Borges-Andrade. (orgs). Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações. São Paulo: Casa do Psicólogo, pp. 581-587.

McLarnon, M. J. W., & Rothstein, M. G. (2013). Development and initial validation of the Workplace Resilience Inventory. Journal of Personnel Psychology, 12, 63-73, doi:10.1027/1866-5888/a000084.

Meek, K. R., McMinn, M. R., Brower, C. M., Burnett, T. D., McRay, B.W., Ramey, M. L., … Villa, D. D. (2003). Maintaining personal resiliency: lessons learned from evangelical protestant clergy. Journal of Psychology and Theology, 31(4), 339-347, doi: 0091-6471/410-730

Meneghel, I., Salanova, M., & Martínez, I.M. (2013). El camino de la Resiliencia Organizacional: una revisión teórica. Aloma: revista de psicologia, ciències de l’educació i de l’esport, 31(2), 13-24. Recuperado em 31 dezembro de 2016, de http://www.revistaaloma.net/index.php/aloma/article/view/197/130

Minello, I. F., & Scherer, I. B. (2014). Características resilientes do empreendedor associadas ao insucesso empresarial. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 228-245, doi: 10.5007/2175-8077.2014v16n38p228.

Oliveira, A. A. S., Lima, C. S. L., & Morais, K. K. C. (2016). Bibliometria e metassíntese de estudos sobre trabalho puplicados na revista Psicologia & Sociedade. Psicologia & Sociedade, 28(3), 572-581, doi: 10.1590/1807-03102016v28n3p572.

Pereira, A. M. S. (2001). Resiliência, personalidade, stress e estratégias de coping. In: Tavares, J. (org.) Resiliência e educação. São Paulo: Cortez. pp. 77-94.

Rees, C. S., Breen, L. J., Cusack, L., & Hegneyand, D. (2015). Understanding individual resilience in the workplace: the international collaboration of workforce resilience model. Frontiers in Psychology, 6(73), doi: 10.3389/fpsyg.2015.00073.

Resende, M. C. de, Ferreira, A. A., Naves, G. G., Arantes, F. M. S., Roldão, D. F. M., Sousa, K. G., ... Abreu, S. A. M. (2010). Envelhecer atuando: bem-estar subjetivo, apoio social e resiliência em participantes de grupo de teatro. Fractal: Revista de Psicologia, 22(3), 591-608, doi: 10.1590/S1984-02922010000900010.

Ribeiro, A. C. A., Mattos, B. M. de, Antonelli, C. S., Canêo, L. C., & Goulart Júnior, E. (2011). Resiliência no trabalho contemporâneo: promoção e/ou desgaste da saúde mental. Psicologia em Estudo, 16(4), 623-633, doi: 10.1590/S1413-73722011000400013.

Robertson, I. T., Cooper, C. L., Sarkar, M., & Curran, T. (2015). Resilience training in the workplace from 2003 to 2014: A systematic review. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 88, 533–562, doi: 10.1111/joop.12120.

Rowe, D. E. O., Bastos, A. V. B., & Pinho, A. P. M. (2011). Comprometimento e entrincheiramento na carreira: um estudo de suas influências no esforço instrucional do docente do ensino superior. Revista de Administração Contemporânea, 15(6), 973-992, doi: 10.1590/S1415-65552011000600002.

Santos, R. A. dos, & Moreira, M. C. N. (2014). Resilience and death: the nursing professional in the care of children and adolescents with life-limiting illnesses. Ciência & Saúde Coletiva, 19(12), 4869-4878, doi: 10.1590/1413-812320141912.18862013.

Schein, E. (1993). On dialogue, culture and organisational learning. Organizational Dynamics, 22(2), 40-51, doi: 10.1016/0090-2616(93)90052-3.

Siu, O., Hui, C., Phillips, D., Lin, L, Wong, T., & Shi, K. (2009). A study of resiliency among Chinese health care workers: Capacity to cope with workplace stress. Journal Of Research In Personality, 43(5), 770-776, doi: 10.1016/j.jrp.2009.06.008.

Snyder, C. R. & Lopez, S. J. (2009). Psicologia Positiva: Uma abordagem científica e prática das qualidades humanas. Porto Alegre: Artmed.

Soanes, C., & Stevenson, A. (2006). Oxford dictionary of English (2nd Ed). Oxford, UK: Oxford University Press.

Tavares, J. (2001). A resiliência na sociedade emergente. Em J. Tavares (Org.), Resiliência e educação (pp.43-76). São Paulo: Cortez.

Tonon, L., Camillis, P. K., Marques, J. R., & Grisci, C. L. I. (2013). Trabalho, arte e a vivência de dilemas contemporâneos. Qualit@s Revista Eletrônica, 14(1), 1–19, doi: 10.18391/qualitas.v14i1.1664.

Wanberg, C. R., & Banas, J. T. (2000). Predictors and Outcomes of Openness to Changes in a Reorganizing Workplace. Journal Apllied of Psychology, 85(1), 132-142, doi: 10.I037//0021-9010.85.1.13 2.

Werner, E. E., & Smith, R.S. (1992). Overcoming the odds: High-risk children from birth to adulthood. Ithaca, NY: Cornell University Press.

Youssef, C. M, & Luthans, F. (2007). Positive Organizational Behavior in the Workplace. The Impact of Hope, Optimism, and Resilience. Journal of Management, 33 (5), 774-800, doi: 10.1177/0149206307305562.

Yuen, W. W., Wong, W. C., Holroyd, E., & Tang, C. S. (2014). Resilience in Work-Related Stress Among Female Sex Workers in Hong Kong. Qualitative Health Research. 24(9), 1232-1241, doi: 10.1177/1049732314544968.

Yunes, M. A. M. & Szymanski, H. (2001). Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. Em J.Tavares (Org.), Resiliência e educação (pp.13-42). São Paulo: Cortez.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.